Posts Tagged ‘gamay’

Uma uva versátil

26 de fevereiro de 2014

folha

Uma uva versátil

Beaujolais… “Bô-jô-lé”…
Quem realmente gosta de vinho dá um sorrisinho maroto de quem esconde um segredo. Quem acha que conhece vinho, faz cara feia.

A região de Beaujolais, na França, ficou famosa pelas propagandas festivas e barulhentas de promoção de seus vinhos “nouveau”.

Eram os anos 1970 e todo mundo achava que vinho bom tinha de envelhecer. Como não era o caso do beaujolais nouveau, apesar do bom
resultado da propaganda, não tardou para que fosse tido como um vinho não sério.

A fama da gamay, uva do Beaujolais, é antiga. No século 14, Felipe 2º, duque da Borgonha, proibiu a plantação da uva na região por ela
ser “muito produtiva”.

Mas, ei, vamos combinar: os tempos mudaram. Hoje, viticultores controlam tranquilamente a produção da gamay, entregando vinhos de
excelente concentração e muito sabor.

Há grandes expressões dela nos dez “crus” do Beaujolais -Morgon, Fleurie, St. Amour, Chiroubles, Régnié, Brouilly, Côtes de Brouilly, Juliénas, Chénas e Moulin a Vent.

No Mâcon, região no extremo sul da Borgonha, divisa com o Beaujolais, há vinhos bem frutados e com preços legais. O vale do Loire tem tintos de estilo bem magrinho, em geral, com menos fruta.

Fora do país de origem, dá um vinho frutado leve chamado Dôle, na Suíça. Na Nova Zelândia e na África do Sul há vinhedos pequeninos de produtores apaixonados.

Encontra-se meio espalhada na Austrália, em Israel, no Líbano, nos Estados Unidos, no Canadá e no Brasil.

Versátil, a gamay sempre surpreende pela sutileza.

Fleurie “Les Moriers” – M. Chignard 2011
ORIGEM Beaujolais
Nariz bem frutado, exuberante, delicado em boca, com fruta marcante
QUANTO R$ 75
ONDE Cellar (tel. 11/5531-2419)

La Superbe Rouge 2010
ORIGEM Borgonha
Cerejas e algo de terra fresca. Na boca, parece que mordi uma cereja geladinha bem ácida
QUANTO R$ 98
ONDE Ravin (tel. 11/5574-5789)

Woodthorpe Gamay Noir 2011 (Te Mata)
origem Nova Zelândia
Fechado, lembra champinhom e terra e demora para mostrar a fruta. Taninos fininhos, final tostado e cheio
QUANTO R$ 139
ONDE Mistral (tel. 11/3372-3400)

Mâcon – Thorin 2010
ORIGEM Borgonha
Um pouco de groselha nos aromas. Magrinho, refrescante e com boa fruta
QUANTO R$ 55
ONDE Santa Luzia (tel. 11/3897-5000)

Ouça: Alexandra Corvo fala sobre a uva Gamay

31 de julho de 2012

Hoje a Alexandra fala de uma uva não tão popular aqui no brasil, a Gamay.

Clique na imagem para ouvir o áudio.

Beaujolais Villages e seu charme frutado

24 de junho de 2011

(to read in english, please scroll down)

Nariz muito franco, perfumado, com notas de morango amasado, bala de morango e fica com uma nota mais madura quando esquenta um pouco. Na boca é fresco e cremoso, tem bastante fruta, taninos fininhos, agradáveis. Tem pouca estrutura, pouco corpo, mas os aromas ficam na boca, mesmo o sabor não sendo muito longo, seus perfumes são. E  é assim que um Beaujolais Villages deve ser. Franco, limpo, frutado, com a fruta perfumada que a Gamay consegue desenvolver apenas nesta bela região francesa. Este é do produtor Coquard.  Beaujolais Villages – Coquard 2008. Na Decanter.

Beaujolais Villages and its fruity charm.

A very clean nose, perfumed, with notes of crushed strawberries, strawberry candies and the notes get more mature when it warms a bit. On palate it is fresh and creamy, has a lot of fruit, fine tannins, pleasant. It has little structure, little body, but the aromas remain in mouth, and eventhough the taste is not long, its perfumes are. And so a Beaujolais should be. Frank, clean, fruity, with the perfumed fruit that Gamay manages to develop only in this French region. It’s from the producer Coquard.Beaujolais Villages-Coquard 2008.


%d blogueiros gostam disto: