Folha de São Paulo:

by

folha

 

Vinhas velhas dão uma certa expressão intensa à taça.

Resultado de imagem para old vines

Vinhas velhas, vieilles vignes, viñas viejas, old vines — expressões que encontramos em alguns rótulos e que significam, para muitos produtores (principalmente na Europa) que há mais nobreza nos vinhos nascidos na velhice das vinhas que em sua juventude. Por isso mesmo estampam a expressão com orgulho em suas garrafas.

Mas será que vinhas velhas produzem mesmo vinhos melhores? Qual a diferença essencial em suas características? Há um fator crucial que separa as duas gerações: o sistema radicular de cada uma. As vinhas velhas, principalmente as que cresceram em regiões de solos pobres, áridos ou com forte drenagem, atingem grandes profundidades ao longo dos anos. Com isso, sofrem menos em caso de seca e não absorvem água em excesso (o que causaria uma diluição do vinho) em caso de chuvas na época da colheita. Ou seja, uma vinha velha é muito menos suscetível às variações de safras.

Outro fator importante que liga o comportamento das idosas em comparação às novinhas: volume. Vinhas velhas produzem naturalmente menos. E há uma regrinha qualitativa bem básica: menos quantidade é mais qualidade. Apesar de muitos outros fatores influenciarem qualidade do vinho, rendimento tem um impacto bastante direto.

Não que quanto menos você produz melhor vai ser o vinho. Há um certo equilíbrio nessa equação. Mas, de todas as maneiras, como as vinhas velhas rendem menos, podemos confiar em uma certa expressão mais intensa na taça.

Na Europa, vinhas velhas são divas. No novo mundo são respeitadas, mas não necessariamente veneradas. A questão é que em muitas regiões do novo mundo, atingem-se ótimos níveis de qualidade com vinhas novas. Há relatos de produtores europeus que têm vinhedos no novo mundo e que não conseguem explicar como conseguem atingir qualidade com vinhas de quatro, cinco anos, e em suas regiões de origem, é inconcebível obter um grande vinho com vinhas de menos de oito, dez anos.

Mas a última questão é: quão velha é velha? Não há nenhuma regulamentação em torno do emprego da palavra. Mais uma vez, depende de onde olhamos. No velho continente, produtores consideram velhas vinhas a partir de 30, 40 anos. No novo mundo, 20, 25 já são consideradas não tão jovens. Independentemente de quão velha, vale a pena provar os sumos de algumas dessas plantas já tão estabelecidas pelo mundo.

Pétalos del Bierzo 2013
Uma expressão potente de um terroir único no norte da Espanha. Muita fruta vermelha madura, notas tostadas, boca firme e cheia, com ótima acidez
REGIÃO Espanha – Bierzo
QUANTO R$ 196
ONDE Mistral, tel. (11) 3372-3400

Clotilde Davenne Saint-Bris Vieilles Vignes 2014
Muito cítrico, cheio de mineralidade e salinidade do extremo norte da Bourgogne. Boca picante, cítrica, quase salina. Pede ostras
REGIÃO França – Bourgogne
QUANTO R$ 195
ONDE De la Croix, tel. (11) 3034-6214

Odfjell Orzada Carignan 2013
Super perfumado, notas de incenso e especiarias, como páprica e cardamomo. Muito macio em boca, com taninos fininhos e ótima fruta
REGIÃO Chile – Valle do Maule
QUANTO R$ 161
ONDE World Wine, tel. (11) 3085-3055

Paulo Laureano Premium Vinhas Velhas 2014
Muita fruta vermelha, pimenta-do-reino, nota de mentol. Muito encorpado, cheio, volumoso e apimentado
REGIÃO Portugal – Alentejo
QUANTO R$ 110
ONDE Adega Alentejana, tel. (11) 5044-5760

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandracorvo/2016/08/1806224-vinhas-velhas-dao-uma-certa-expressao-intensa-a-taca.shtml

Tags: , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: