Folha de São Paulo: Bordeaux-zinho

by

folha

Bordeaux-zinho?

Será que é possível concebermos algo como um “Bordôzinho”? Bordeaux, a região francesa produtora de vinhos cujo nome causa frisson até no mais desavisado bebedor de vinhos, é famosa por seus grandes tintos, de altas cifras. Bordozões, diríamos.

Acontece que, se olharmos bem a divisão do sistema de denominação de origem, o termo isolado Bordeaux não quer dizer muita coisa, pelo menos em termos de estilo de vinho.

O sistema de denominação de origem divide a região em níveis que dizem respeito à demarcação geográfica de origem das uvas e produção de vinhos. Quando um vinho vem de uma cidade específica em Bordeaux –por exemplo, Pauillac, Margaux ou St. Émilion–, significa que as uvas cresceram ali, sendo influenciadas pelo clima, solo e regras de produção e, portanto, têm um estilo que representa aquela cidade.

No caso da denominação Bordeaux, não há uma origem específica. As uvas podem vir de qualquer lugar de quase 40 mil hectares da zona. O termo “Bordeaux Superieur” não indica nada de muito diferente, apenas que os vinhos vêm de vinhas um pouco mais velhas, mas também de toda a região.

Ou seja, há uma variedade enorme de estilos. Como não sabemos de onde vêm exatamente –que solos ou qual microclima–, por mais importante que a palavra Bordeaux (ou Bordeaux superieur) soe, não sabemos exatamente como o vinho será.

O sindicato de produtores de Bordeaux criou nos anos 1970 uma “Maison de la Qualité” que se encarrega de degustar todos os vinhos que são lançados no mercado. Ao total, são em torno de 10 mil exemplares degustados que devem passar por testes de qualidade e tipicidade mínimos para poderem levar o termo “Bordeaux” no rótulo.

Se há algo que esses tintos simples de Bordeaux têm em comum é uma certa mordida. Sim, taninos presentes: nunca são fáceis e frutadinhos. Geralmente melhoram com comida. Variam muito no nariz, às vezes mais florais, às vezes mais vegetais, com algo de frutas, sem que seja essa a principal característica.

Robert Giraud Chateau Timberlay 2011
Morangos no nariz e boca, taninos fininhos e firmes, com final frutado
QUANTO R$ 102,99
ONDE Wine Store; winestore.com.br

Grand Theatre Univitis 2014
Mentol. Taninos fininhos, picadinha alcoólica. Precisa ser decantado e fica melhor acompanhado de brie
QUANTO R$ 93,50
ONDE Ravin; tel. (11) 5574-5789

Le Clos de Reynon 2011
Um Bordeaux simples, mas típico. Nariz discreto, com um pouco de flor seca, algo de pimenta, cedro e chá. Na boca, é bem frutado e cheio, tem bom frescor, mas taninos bem secos
QUANTO R$ 81
ONDE Casa Flora; tel. (11) 3327-5167

Domaine du Bouscat Caduce 2012
Perfumado, floral, com violetas e rosas brancas. Macio, fácil, com um final sequinho e firme e boa fruta
QUANTO R$ 98
ONDE De la Croix; tel. (11) 3034 6214

Tags: , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: