Folha de São Paulo: A Encruzado desponta

by

folha

A Encruzado desponta

Lá por maio do ano passado, fiz parte do júri de um concurso internacional em Lisboa e pude degustar alguns vinhos da uva branca encruzado. Apesar de me chamarem a atenção pela mineralidade e ponta ácida vibrante, não me intrigavam mais que tantas outras variedades portuguesas interessantes. Mas, depois, sentindo com atenção, me dei conta: ela é especial, sim.

Não é comum em Portugal os vinhos serem varietais (feitos com só uma variedade de uva). Geralmente os produtores desse país expressam mais as características do terroir das regiões em vinhos produzidos com cortes de uvas autóctones e, portanto, muito bem adaptadas a cada zona.

Originária da região do Dão, a encruzado vem despontando (ali e também fora do Dão) em vinhos varietais pela sua expressão intensa. Dá notas de pinho, ervas frescas, muito cítrico e uma acidez brilhante que faz com que os vinhos não apenas sejam deliciosos e vivazes na juventude, como desenvolvam complexidade no envelhecimento.

Com um tempo em garrafa, o vinho ganha mais cremosidade, uma certa oleosidade que dá volume em boca, sempre apoiado pela acidez que se mantém por vários anos. O nariz desenvolve aromas mais densos de frutos secos e lembra algo de óleo de amêndoas, também sempre com uma nota fresca de pinho no fundo.

Tentei conversar com alguns enólogos portugueses que trabalham com ela, mas é época de colheita na Europa e a maioria não conseguiu me responder. Julia Kemper me contou, às pressas entre uma prensa em outra, que a encruzado está bem adaptada ao clima fresco do Dão, mas que varia de um terroir a outro.

Filipa Pato, gênio imparável, fez questão de conversar comigo e, mesmo com a vindima a todo vapor, me contou tudo com mais detalhes. Disse que a encruzado adora o granito fresco do Dão e que os melhores exemplares vêm da zona da Serra (Caramulo e Bussaco) –e que nas regiões um pouco mais quentes, ela já fica melhor com outras uvas que vão garantir a acidez (terrantez, cercial e bical).

Sua viticultora, Sonia, conhece bem a variedade e nos contou que a encruzado tem uma certa tendência a se oxidar, portanto fermentar em barrica ajuda que ela crie uma capacidade antioxidante própria.

Tiago Cabaço 2013
Pinho, manjericão e uma notinha floral. Boa acidez, saboroso, com textura cremosa e final que lembra folhas
QUANTO R$ 145,30
ONDE Adega Alentejana; tel: (11) 5044-5760

Quinta da Falorca 2011
Resina, pinho, pêssego e geleia de laranja, algo de manteiga. Estilo cheio, com ótima acidez, final cítrico, com textura firme e seca
QUANTO R$ 115,50
ONDE World Wine; tel. (11) 3085-3055

Quinta da Garrida 2013
Tem aromas cítricos e algo de giz, mineral. Textura seca e firme em boca, uma nota quase salgada
QUANTO R$ 74,40
ONDE Portus Cale; tel. (11) 3675-5199

Duque de Viseu Carvalhais 2014
Floral e fresco, delicado em boca, sem a acidez tão marcada por ter algo de malvasia fina e bical no corte
QUANTO R$ 90
ONDE Zahil; tel. (11) 3071-2900

Tags: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: