Estudando na Bourgogne – Côte Chalonnaise

by

A Côte Chalonnaise fica logo ao sul da Côte de Beaune e é um região bem menos conhecida que sua vizinha do norte. E é aí que está nossa sorte: com as regiões de Beaune e Nuits super exploradas e já no limite de poder oferecer algo de novo, esta zona da Bourgogne está totalmente subexplorada e tem grande potencial de crescimento.

Ela é dividida em AOC Regional, 5 comunais ( ou villages, que são os vinhos produzidos dentro dos limites vinícolas de certas comunas) e tem dentro das villages, 130 climats classificados em 1er Cru.

A maior parte da zona é Régional ou Regional identificada ( sendo elas Bourgogne Côte Chalonnaise ou Côte Couchois) e ainda Crémant de Bourgogne (a cidade de Rully é um centro importante de produção de espumantes do método tradicional da Bourgogne).

As comunais são: Bouzeron, que produz exclusivamente brancos à base da uva Aligoté; Rully, que produz mais brancos; Mercurey, conhecidíssima pelos tintos tânicos, mal interpretados e, geralmente tomados muito antes de expressar seu verdadeiro potencial e que produz alguns brancos também. Em Givry, os vinhos são mais delicados e há maior porcentagem de tintos. Montagny produz apenas brancos e tem vários 1er crus interessantíssimos. Aliás tem mais 1er cru que villages e, segundo nos contou o professor, foi porque quando os alemães ocuparam a área, fizeram um acordo de que pegariam apenas as terras não classificadas como 1er, assim, rapidamente, eles cadastraram vários climats em 1er.

De maneira geral, a AOC Côte Chalonnaise produz brancos e tintos interessantíssimos com preços incríveis. É bom prestar atenção também à grande evolução qualitativa dos vinhos de cooperativa. Até os anos 80, os produtores de uvas não cuidavam bem dos vinhedos e deixavam para que a cooperativa se virasse com a matéria prima de má qualidade. Hoje, os responsáveis das “coops” checam o trabalho dos viticultores e, em muitos casos, recusam vinficar uvas que não estão à altura. Fizemos algumas degustações bem interessantes.

Domaine A. et P. de Villaine – Bouzeron

No jantar antes da ida à Côte Chalonnaise, estivemos com Pierre de Benoit, enólogo responsável pelos vinhos do Domaine de Villaine em Bouzeron. Não dá para escapar do fato de que Aubert de Villaine é proprietário da Romanée-Conti e que ele haver se instalado nesta pouco conhecida região, atraiu muita atenção de consumidores e produtores que, encorajados, se estabelecem em número cada vez maior.

Bem, confesso que, antes começar a degustar, Pierre nos arremessou um discurso tão pesado de “não degustem com o cérebro, degustem com os sentidos, vocês têm que amar ou não o vinho, mas parem de pensar tanto” bla bla bla…Como eu queria anotar minhas impressões, rebati: “se você está entre amigos, comendo e se divertindo, pode ser. Mas eu sou uma comunicadora e não posso escrever para meus leitores ou dizer aos meus alunos: gostei. Isso não é um argumento. Preciso do meu cérebro para escolher bem as palavras daquilo que meu corpo e meu coração sentem, portanto, com licença, vou anotar tudo o que eu sentir”. Assim, pude anotar algo. Portanto:

Bouzeron 2010: discreto, bem frutado, perfumado. Boca cremosa, com uma nota de grapefruit, bom frescor.

Bouzeron 2005: bem mineral e floral. Segundo o produtor, a idéia é que estes vinhos precisam de tempo e que o lado frutado não é o mais interessante de Bouzeron. Que o legal é que ele perca a fruta e mostr outro lado. Bem,aqui, realmente é o que acontece, ele mostra uma mineralidade interessante e passa bem longo da fruta. Na boca é firme e ácido, bem alto, elegante, com uma nota salgada e um final de pêra verde.

Bourgogne Côte Chalonnaise –Les Clous – 2009: amanteigado, lembra mel e talco. Na boca é salino, mais magro, seco, lembra algo de cinzas e giz no retrogosto.

Bourgogne Côte Chalonnaise – La Digoine – 2010 – entramos nos tintos, com um nariz bem perfumado, lembra um licor de frutas, mas bem fresco, bem exuberante. Na boca é fresco, taninos muito finos, cheio de fruta.

Bourgogne Côte Chalonnaise – La Digoine – 2005 – bem menos frutado, mais fechado, com um toque de cravo, ameixa preta bem discreta. Na boca é mais fino, com mais acidez e com menos fruta, mas seco.

Durante o dia, viajamos até a Côte Chalonnaise, onde pela manhã tivemos uma aula com o mestre Renard. Na aula, degustamos algo de Côte Chalonnaise e também um pouco do Maconnais. Falo dos vinhos de Mâcon mais tarde.

Montagny 1er Cru “Clos Caudron” 2009 – Domaine Du Ch. De Davenay – nota de fruta amarela, mas um pouco diluído. Na boca é quente, falta sabor e extrado. É considerada uma comuna com potencial para bons brancos, mas que ainda não conseguiu definir um estilo consistente. Fica bem ao XXXX da região.

Givry “Champ Lalot” 2010 – Dom. Michel Sarrazin et Fils – um tinto com notas de caramelo e framboesa. É fresco em boca, com taninos fininhos e pouco extrato, um final fácil, mas de taninos apertadinhos ainda.

Mercurey 1er Cru “Clos de Barraults” – Dom. Michel Juillot – Uma nota frutada discreta e um toque de carne. Na boca é duro, muito seco, com uma nota de ameixa verde, bem seção, taninos finos e longo de sabor, mas ainda com uma pegada rústica. Está definitivamente jovem.

Mais tarde, fomos para Mercurey, onde conhecemos alguns 1er Crus didáticos. No próximo post.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: