Um clássico é sempre um clássico

by

Fazia muito, muito tempo que não tomava um Pouilly Fumé dos grandes. Estou fazendo isto agora mesmo, numa sexta feira de temperatura perfeita, nem quente nem fria, apenas perfeita.

No nariz, terroir líquido e a fruta. Sauvignon blanc no seu estado mais puro e mineral. Primeiro o maracujá verde, pungente, depois o giz,um mineral impressionante. Depois, vai abrindo, ficando menos frutado e mais mineral, com cheiro de areia molhada, casca de ostra e pedra. Ele vai ficando mais completo conforme fica mais tempo aberto. É bom decantar.

Na boca, muita cremosidade, um certo calor, é firme no álcool. Tem ótima acidez e frescor. Não é extremamente longo, mas está longe de ser curto. Mais do que o sabor, o que fica na boca é uma untuosidade, a textura agradável.

Pouilly Fumé é uma denominação de origem na parte mais continental do vale do Loire, na França. O clima continental, marcado por verões secos e ensolarados, de noites frias, ajudam a Sauvignon blanc a amadurecer bem, mantendo a típica acidez.

Os solos lá são super conhecidos pela mineralidade. Estão dividos em 4 tipos: os calcários de Villiers, com pedrinhas calcárias pequenas. Os calcários do Barrois, que têm pedras calcárias maiores e mais duras, são solos secos e pobres, e com quase nada de depósitos fósseis. Depois estão as Margas com ostras, fósseis de ostrinhas de 160 milhões de anos atrás, quando ali era um mar. São solos mais frios. E as argilas com sílex, super famosas pelos aromas minerais que aportam ao vinho. Têm pedras grandonas, de 5 a 20 centímetros.

Vale a pena dar uma olhada nas fotos desses solos no site oficial da AOC

Combinou perfeitamente com costelinhas de porco no forno. Perfeitamente!

Eu ganhei o vinho de presente, então não sabia o preço. Fui olhar. Está à venda na Vinci

Tags: , , ,

4 Respostas to “Um clássico é sempre um clássico”

  1. Eugênio Oliveira Says:

    Oi Alexandra,

    Sempre tive vontade de tomar esse vinho, sempre namoro ele no site da Vinci para ver se entra em promoção, já que custa mais de 300. Lá nos EUA custa uns 60 dólares. Também adoro Pouilly-Fumé e o último dos grandes que tomei foi um Silex 2004.

  2. elsom Says:

    Olá, queria fazer uma pergunta mais técnica; qual a forma mais correta p/ decantar um branco? Deixa-lo à temperatura ambiente um tempo e depois colocá-lo na geladeira p/ chegar à temperatura de serviço ideal?
    Se não, qual seria o procedimento correto?
    Obrigado

    • sommelierprofissional Says:

      Oi Elsom, tudo bom? Quando eu trabalhava no DOM, como vários clientes levavam grandes brancos que precisavam ser decantados, eu tinha uma espécie de grande prato fundo, do tamanho de uma bandeja. então eu colocava gelo e água e deixava o decanter sobre esse gelo. Sempre mantenha um pano à mão para servir, já que a água embaixo do decanter acaba pingando. Caso não tenha todos esses aparatos, simplesmente coloque o vinho em uma jarra e depois coloque-o de volta à garrafa que pode, facilmente, ficar em um balde com gelo. Detalhe: estes grandes vinhos não precisam estar super gelados. Portanto, não há necessidade de muito gelo. Abração

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: