18a Avaliação Nacional de Vinhos – safra 2010

by

Como comentei com vocês, tive a oportunidade de fazer parte do juri composto por 16 degustadores e 16 amostras do que é considerado mais significativo da safra 2010. É importante frizar que não é um campeonato, nem se tratam de ganhadores, mas sim, vinhos representativos do ano vinícola. As categorias eram vinhos base para espumante, brancos não aromáticos, brancos aromáticos e tintos. Eram 16 amostras e os 16 jurados avaliariamos todos os vinhos, mas cada um de nós deveria comentar uma das amostras. Todos os vinhos, segundo a organização, ainda estão em tanque, portanto é uma avaliação de vinhos que ainda não estão no mercado, principalmente os vinhos-base que ainda passarão pelo processo de tomada de espuma. Eu tive a árdua tarefa de comentar justamente um destes.

Em geral, pela a dificuldade da safra, os vinhos estavam bem, com algumas novidades em termos de uvas e vinícolas menores. Também, em geral, achei que faltou frescor, mas os vinhos ainda estão nervosos pela pouca idade. Normal. Portanto, não leiam minha degustação como algo definitivo e sim como de seres vivos ainda em estado “fetal” que precisam crescer e se desenvolver com o tempo.

 

750 pessoas vieram para a avaliação. Fenomenal.

 

Categoria: Vinho Base para Espumante

1. VINHO BASE ESPUMANTE (Chardonnay):Domno do Brasil.

Foi o vinho que comentei. Nariz perfumado e limpo, com boa matéria prima. Na boca, boa cremosidade e estrutura média. Faltou extrato no meio de boca, um pouco diluído e sobrando álcool. Minha nota, apesar de baixa, reconhecia a qualidade e nitidez do vinho em nariz e boca, mas os pontos foram poucos pela falta de persistência, intensidade e acidez em boca.

Fui abordada pela moça que recolhia as notas que me perguntou “não quer dar uma nota mais alta? é que o pessoal está dando mais pontos que você “.   Bom, não creio era uma questão de querer. Era uma questão de preencher a ficha de avaliação dada por eles e somar os pontos. Também fui abordada pelo sr. João Valduga que, indignado, disse que massacrei os vinhos com minha nota. Que deveria aumentá-la pois nossa viagem é paga por eles. O que talvez ele não tenha entendido, é que eu não vou dar notas alta só porque me pagam a viagem.  Se me convidaram, eu imagino, era porque queriam saber minha opinião real e não porque queriam que fosse “puxa-saco” (por falta de expressão melhor) dos vinhos. Aquela foi minha análise daquele vinho naquele momento e sinto muito se a safra foi difícil. Não fui eu que fiz chover a mais. Confesso que fiquei assustada com a agressividade do sr. João Valduga, que suava, estava vermelho e tremia enquanto me falava dirigia a palavra com raiva.  Como expliquei para ele, tenho estado atenta para as melhorias do vinho brasileiro, tenho dado meu apoio e, diga-se de passagem, indiquei um vinho dele para minha última coluna da revista Contigo! Não foi suficiente. O homem estava fora de si e perdeu qualquer resquício de elegância em sua abordagem.

De todas as maneiras, mais tarde conversei com Philippe Mevel, enólogo da Chandon Brasil (e referência no tema) que me disse concordar em 100% com meus comentários, assim como Roberta Boscato, enóloga (também referência) em vinhos de qualidade do Rio Grande do Sul. Fiquei aliviada por ter gente com gabarito tão confiável concordando com minha humilde avaliação em uma categoria tão difícil.

2. VINHO BASE ESPUMANTE (Chardonnay/Pinot Noir):Vinhos Salton: Nariz maduro e limpo, com notas tropicais. Na boca é intenso, cremoso, tem estrutura e boa acidez. Temos que esperar pela segunda fermentação.

Categoria: Branco Fino Seco Não Aromático

3. CHENIN BLANC: Vinícola Ouro Verde. Nariz floral, rico, com um toque de umidade, mas fino, no geral. Na boca, faltava acidez e sobrava um pouco de álcool, além de um finalzinho amargo.

4. CHENIN BLANC:Vitivinícola Santa Maria: Nariz maduro, com toque tostado e uma nota floral que me lembrava margaridas brancas. Na boca era fresco e cremoso.

5. CHARDONNAY:Coocenal Cooperativa Central Nova Aliança: Nariz limpo, com nota de damasco e amendoim. Na boca, um pouco gordo demais, meio adocicado, faltou frescor.

6. CHARDONNAY:Vinícola Góes e Venturini: mais fresco, também limpo no aroma, com notas tropicais de abacaxi. Na boca é cremoso, limpo, com bom frescor e ótimo acabamento.

Categoria: Branco Fino Seco Aromático

7. MOSCATO GIALLO:Casa Geraldo: Perfumado, bem floral. Na boca é fresco. Tem um finalzinho com toque amargo e um pouco curto.

8. MOSCATO R2:Vinícola Perini. O comentarista deste vinho disse coisas muito interessante. Sr. Luis Vicente Elias Pastor é do dpto de Documentação e Patrimonio cultural e trabalha na Viña Tondonia, na Rioja. Ele disse que sentia falta de sentir nos vinhos brasileiros o clima da região. Ele disse que se o clima é umido e chuvoso, deveríamos ser capazes de sentir esse aspecto “atlântico” nos vinhos. Nunca tinha pensado nisso, mas concordei na hora. Há tantos vinhedos no mundo com essas características, que produzem vinhos com esse lado fresco dos climas umidos. Por que nós não nos inspiramos neles? A propósito, este vinho tinha isso. É um moscato delicado, com flor branca e fruta fresca. Na boca, tem cremosidade, mas é fresco, seco e delicado.

Categoria: Rosé Seco

9. ROSÉ (Cabernet Sauvignon):Vinícola Almadén: notas de groselha no nariz, com um toque lácteo. Na boca é fresco, com uma certa doçura e um finalzinho amargo que o torna um desequilibrado.

Categoria: Tinto Fino Seco Jovem

10. PINOT NOIR:Rasip Agropastoril: Não conhecia esta vinícola. Vinho super denso na cor, para um Pinot. Nariz exuberante e frutado. Na boca é denso, meio alcoólico, com taninos finos, mas pouco extrato e curto no final.

Categoria: Tinto Fino Seco

11. CABERNET FRANC: Cia Piagentini de Bebidas e Alimento: Nariz um pouco reduzido e fechado. Na boca, porém, tinha frescor, taninos ainda duros,mas finos que se fundiam com o álcool no final. Ficar de olho!

12. CABERNET FRANC: Estabelecimento Vinícola Valmarino: Nariz alcoólico, com um toque de madeira e fruta. Na boca, fresco, taninos finos, mas um pouco grudentos, sobrando álcool no final.

13. MARSELAN: Vinícola Dom Cândido: os brasileiros têm produzido bastante coisas interessantes com uvas desconhecidas. A marselan é um cruzamento de Cab. Sauvignon com Grenache criada nos anos 60  no sul da França. Nariz bonito, com flores e frutas. Na boca é equilibrado, com taninos fininhos, apesar de ser bem seco no final. Vou ficar de olho nele.

14. MERLOT: Seival Estate: Nariz um pouco fechado, não dava para sentir muito a fruta. Na boca é fresco, com taninos fininhos e adocicados, final alcoólico. Bastante potencial, principalmente quando esse nariz se abrir.

15. CABERNET SAUVIGNON: Vinícola Santo Emílio. Nariz interessante, com tabaco, notas de madeira e florais. Boca bem estruturada, meio durona, mas com equilibirio, apesar de muito jovem ainda.

16. CABERNET SAUVIGNON:Vinícola Almaúnica: nariz também floral, com ótima fruta e concentração. Na boca, tem muita estrutura, ainda está jovem, com muito álcool e taninos. Bom para ficar de olho também.

Tags: , ,

89 Respostas to “18a Avaliação Nacional de Vinhos – safra 2010”

  1. Ricardo Stein Says:

    Olá Alexandra!
    Continue expressando a sua opinião, e eu continuarei a lhe acompanhar.
    Não só os vinhos de 2010 precisam amadurecer, mas algumas pessoas também.
    Abraços,
    Ricardo

  2. sommelierprofissional Says:

    É, parece que as críticas, em vez de serem tomadas como dicas para melhorar, são tidas como “massacres”. A intenção não era essa. Se fosse o caso, não precisaria sair de minha casa, deixar meu bebê no final de semana para vir até aqui avaliar os vinhos. Poderia fazer isso sentada em minha cadeira. Vim porque acredito que posso ser útil na melhoria dos vinhos brasileiros. E, com as palavras de Mevel, fico tranquila. abraço, Ricardo.

  3. Gabriel Says:

    Professora, fiquei pasmo com seu relato. Se há uma coisa que não suporto ou tolero é falta de educação ou agressividade – e, se são condutas intoleráveis no dia-a-dia de nossa vida particular, tornam-se piores ainda em um âmbito profissional. Pode não ter nada a ver, mas não posso deixar de fazer um paralelo com os recentes ataques de nosso presidente à mídia (fortemente repelidos por editorais dos grandes jornais), que espuma de raiva ante o contraditório. Ora, quem não quer ser avaliado, que não dê a cara para bater. Mas o que você conta deixa de ser “apenas” um desvio moral e passa, também, a ser um tombo ético, na medida em que se lhe é cobrada, explicitamente, uma atitude subserviente ante a paga da viagem. Coisa muito grave, que merece, talvez, ser amplificada na imprensa especializada.

    • sommelierprofissional Says:

      Olá Gabriel. Pois é. Pouco a fazer em uma situação como esta. Eu, como jurada, estava também sendo avaliada. E, muitas pessoas me fizeram comentários sobre minha nota. Em primeiro lugar, não sei por que uma nota baixa gera tanta comoção. Em segundo, se querem que entusiastas do vinho, que acham tudo “legal” avaliem seus vinhos, os há de monte no mercado, mas não é minha linha. Ética parece ser a última das preocupações do produtor citado. Não vou dar mais amplitude ao ocorrido. Falta de ética é algo que se paga a longo prazo. Demora a ser percebido, mas chega. ps: espero que se aplique ao sr. Luis Inácio, quem sabe, um dia.

  4. luiz horta Says:

    Ridiculo isto Alexandra. O vinho brasileiro nao vai ficar melhor na base da bravata, mas de trabalho sério que algumas vinicolas fazem. Parabens pela atitude objetiva e profissional.

    • sommelierprofissional Says:

      Que honra sua visita (seu bebedor de malbec!!! hahahaha – brincando, hein!). Pois é, Luiz. Eu venho me deparando, cada vez mais de perto, com situações, no mínimo, estranhas, como esta. Obrigada por aparecer e comentar. Abraço

  5. Coleção Particular Says:

    Marco Danielle vem dizendo, faz tempos, que nossa vocação é fazer “vinhos de chuva”. Nesse contexto, acho um equivoco a revoada geral para a Campanha, tentativa de aumentar o calor e copiar o sucesso comercial dos vizinhos andinos.

    • sommelierprofissional Says:

      Olá Oswaldo. obrigada por comentar. Creio que cada região tem sua vocação. O erro é tentar produzir vinhos estilo “clima quente” em um clima fresco e úmido como o da serra gaúcha. Agora, se a Campanha tem um clima mais seco, os vinhos devem ser resultado desse clima. De todas as maneiras, estou de acordo com você que é um erro, em qualquer caso, tentar aumentar o calor dos vinhos ou imitar quem quer que seja. Cada região deve desenvolver seu próprio estilo, baseado em clima, solo e tradição cultural. abraço

  6. Eduardo Felipe Says:

    E ainda dizem que o trabalho de sommelier é facil! Parabens pelo trabalho, Alexandra e espero que sempre tenhamos pessoas como você defendendo o nosso vinho! Abraco!

  7. Adri Says:

    Olá, Alexandra!

    Meus parabéns por ter sido escolida para ser avaliadora na XVIII avaliação de vinhos.
    Porém gostaria de resaltar que você foi infeliz com a sua nota. pois vinhos base para espumante se avaliam de foprma totalmente diferente de um vinho tranquilo, tendo que fazer uma aviação muito mais adiante do que o poprio vinho degustado apresente, pois é ter a sencibilidade de perceber o vinho apos a tomada de espuma, e garanto que para ter esta percepção é necessario ter uma boa esperiencia na elaboração de espumantes, talves lhe faltou esta sencibilidade.
    mas reforço meus parabéns.

    Att
    Adriana

    • sommelierprofissional Says:

      Cara Adriana
      obrigada pelo comentário, esta é minha segunda participação na Avaliação e é sempre uma honra. Esclareço, porém, alguns pontos. Eu tenho a sorte de ter grandes professores que dão aula em minha escola, aqui em São Paulo. Neste ano, tive a honra e o privilégio de ter como professor de Enologia de Espumantes, sr. Philippe Mevel, enólogo chef da Chandon, que talvez você conheça, uma das vinícolas produtoras de espumante mais sólidas do nosso país. Bem, nessa aula que ele nos deu, trouxe o vinho base do que viria a ser o Chandon brut e nos deu dicas preciosas de como avaliar o vinho neste estágio. Em um ponto, você tem razão. Tenho pouca eXperiência. Em outro, fica claro que não me conhece, já que tenho muita senSibilidade. Há também um outro ponto: não poderia dizer, exatamente, que fui infeliz em minha nota, já que, o mesmo professor (Mevel), com 20 anos de experiência e muita sensibilidadme disse que assinava em baixo de meu comentário e de minha nota. Portanto, posso afirmar, fui muito feliz, principalmente depois de conversar com ele. Apareça

  8. Lucas Says:

    Olá, Alexandra!!!

    Acho muito importante a participação de pessoas em enventos assim, como a Avaliaçao nacional, que por sinal teve a participação de muitas pessoas que tem um grande “peso” no conceito do vinho Brasileiro. Creio que a avaliação seja um evento de divulgação e promoção dos produtos premiados, portanto não podemos “baixar” o nivel do vinho brasileiro, principalmente um base de espumante. Estava presente na Avaliação Nacional e tambem como 750 pessoas provei os vinhos, e achei os vinhos muito bem equilibrados (principalmente os brancos), tanto em alcool e estrutura. Para um vinho base para espumante o vinho deve ser totalmente avaliado de maneira diferente, devemos salientar que o vinho base ainda passará por um longo processo de espumatização, mundando e realsando as caracteristicas impressas no vinho base. A acidez se muito expresiva no vinho base acaba desequilibrando o espumante, pois a acidez irá tornar-se em um frescor, e quanto temos muita acidez o espumante acaba sendo intragável. Quanto a extrutura o vinho será espumantizado, ou seja, será refermetado com leveduras, as quais modificam a estrutura do vinho através das manoproteinas, presentes na parede celular das leveduras. As manoproteinas irão fornecer um volume de boca maior, aumentanto tambem sua extrutura.
    Concluindo, acho que antes de falar mal de qualquer coisa devemos primeiramente saber sobre o assunto e ter uma longa experiencia. Os vinhos espumantes são hoje a identidade do vinho brasileiro, sendo que os produtos selecionados passaram por uma rigorosa seleção por ENÓLOGOS de longa experiencia e formação, então os vinhos já foram aprovados por responsáveis técnicos de muitas vinicolas.
    Abraço, e recomponha sua opinião, afinal temos que valorizar nossos produtos e promover os vinhos brasileiros, pricipalmente os espumantes que são a identidade do Brasil.

    • sommelierprofissional Says:

      Caro Lucas. Obrigada pela visita. Veja, não preciso “recompor ” minha opinião. Ela foi dada e respaldada por ENÓLOGOS de longa experiência e formação, conforme relatei em meu post. Eu não falei “mal”. Eu só analisei o vinh. Meu trabalho não é promover os vinhos brasileiros. Meu trabalho é analisar suas características. Não sou patriota, sou sommelière. Meu trabalho exige imparcialiade, seja no estilo do vinho, seja em sua procedência. Como já disse no post, se fui chamada para avaliar, imagino que foi porque queriam minha opinião, sendo ela qualquer que seja. E ela foi aquela naquela momento. Concordo com sua colocação sobre as modificações do vinho no processo de espumantização, mas eu avaliei o vinho já considerando esses fatores. Não sou tão inexperiente quanto você parece achar. Tenho formação em enologia e em viticultura, assim como tenho experiência de 12 anos em degustação de vinhos e sommellerie, além de ser professora e ter uma escola de vinhos conhecida pela seriedade e imparcialidade. Acho que você deveria respeitar meu histórico e a escolha de ABE ao me chamar para ser avaliadora. Eles são competentes o suficiente para me escolher para o trabalho. Apareça sempre e traga suas opiniões. Um abraço.

      • Lucas Says:

        Olá

        Concerteza o seu trabalho não é o de o promover o vinho, mas tambem não de rebaixa-lo, pois como já disse o vinho estava equlibrado e já foi degustado por 27 enólogos, ou seja, pessoas da industria vitivinicola que realmente conhecem o que realmente é um vinho base para espumante. Não questiono sua capacidade e formação e sim disse que o vinho não estava desliqulibrado e com defeitos afim de ganhar uma nota baixa como a sua (74).
        Eu tambem não sou da ABE e não questiono eles terem escolhido voce, pois é uma pessoa de guabarito.
        E aliás não é rebaixando o vinho que vamos erguer o vinho brasileiro, como colocado pelo Luiz

        Estou ciente tambem que muitas pessoas degustaram o vinho e por sinal não acharam o vinho ruim ou desequilibrado. Acho que 750 pessoas valem alguma coisa, não concordas???
        Agradeço

      • sommelierprofissional Says:

        Eu não achei o vinho ruim ou desequilibrado. Será que você poderia me dizer onde está escrito isso? Eu não rebaixei nada, dei minha nota e ela é essa. Ponto final. O Luiz não disse nada disso, você entendeu errado. O que ele diz é que, se querem ser avaliados, que não convidem pessoas que realmente avaliam,como é meu caso. Ele disse que se querem fazer marketing, não há como colocar pessoas que são objetivas, como é, mais uma vez, meu caso. Eu não sei quem são as 750 pessoas. E isso não está em questão. O vinho brasileiro só será “erguido” como diz você depois de muitos anos provando consistência, como é o caso de outras regiões vinícolas que demoraram séculos para provar e comprovar sua qualidade. Qual a pressa?

      • Lucas Says:

        Qual o conceito de um vinho desequilibrado??? Foi voce quem comentou no primeiro paragrafo da apresentação do vinho. Pois então como disse pela terceira vez, o vinho foi AVALIADO por 27 ENÓLOGOS da industria, ou seja pessoas que conhecem de elaboração e da tendencia do espumante. Outra coisa, 750 pessoas incluiam enólogos de industrias grande (Salton, Valduga Aurora), jornalistas, estudantes da área de enologia… Acho que não é de uma hora para outra que vamos promover o espumante, mas devemos nos esforçar, e não é por que outras regiões demoraram para promover seur produtos, por isto o espumante brasileiro é diferente, e alem disto é descomplicado como a campanha do IBRAVIN.
        A pressa está em outras pessoas poderem conhecer o produto brasileiro que em muitos casos são melhores que os da frança, mas é claro cada um tem uma identidade.

      • sommelierprofissional Says:

        Lucas, se você conhece tanto vinho, deveria saber que ser desequilibrado não é uma questão de conceito, é uma questão de análise. E isso não está escrito em lugar algum na minha análise. Qual é o seu ponto? Eu acho que você já perdeu sua linha de raciocínio faz algum tempo. Você quer fazer propaganda do vinho brasileiro e apologia, escolha outra mídia, ok? Se você conhecesse minimamente meu trabalho, não estaria perdendo seu tempo gastando o meu com argumentos vazios. Suas frases não têm sentido e você não está discutindo aspectos de minha análise e sim enchendo a minha paciência e de meus leitores que estão aqui para ler debate inteligente e não infantilices.

      • Lucas Says:

        sashaushsuah, concerteza minhas frases não devem fazer sentido, principalmente para vc q não esta entendendo o q quero dizer. E aliás, como já disse o vinho foi avaliado por 27 enólogos da industria vitivinicola, e vc está discordando deles, pois o vinho estava equilibrado, e tambem o conceito de equilibrado existe basta VOCE saber aplica-lo na prática. Comente tambem em relação a estes enólogos que degustaram, já falei tres vezes e vc nem citou em suas respostas que o vinho foi pré avaliado por enologos. Eu não quero fazer propaganda do vinho brasileiro, só acho q vc foi ingusta ao dar uma nota baixa para um vinho q não merecia esta nota, pois sua nota na mesa e da seleção ficaram próximas a 85 pontos.

    • luiz horta Says:

      lucas, me explica uma coisa, pq voces só passaram a questionar a capacidade de julgamento da alexandra quando ela foi sincera sobre o que provou? eu acho que se a avaliação é para levantar o vinho brasileiro, promover e toda esta conversa, não deveriam convidar quem dá opinião pra valer, não é mesmo? há uma relação entre objetividade e marketing que está em choque, isto precisa ser revisto.

      • sommelierprofissional Says:

        Luiz Horta, mais uma vez, uma honra te ler. Faço minha a sua pergunta. Estou sendo questionada apenas por ter sido objetiva. Ninguém quer ser posto em questão, ninguém quer ser realmente avaliado. E, o pior: não estão respeitando a escolha da ABE em ter me chamado. É uma falta de respeito com essa associação que, diga-se de passagem, é seríssima e organizou um evento gigantesco de maneira impecável, em todos os aspectos. obrigada pelos questionamentos. Abração

  9. Ricardo Says:

    Além do mais, se lhe convidaram para avaliar vinhos base para espumantes e se não podem conviver com a sua análise, questionando a sua capacidade, porque convidaram?
    Aliás, porque avaliar então?
    Porque não divulgar um release com o que o mercado deve achar?
    Concordo com o Luiz. Se a questão toda é focada em cantar as glorias, sem conviver com as críticas, que ignorem as opiniões alheias, entao. Foquem-se no marketing.

    (Mudando de assunto, Alexandra, 2009 é Beaujolais na cabeça, já tomaste o Marcel Lapierre? Delícia!)

  10. Ana Paula Says:

    Quem está desvalorizando o produto nacional é ele, mostrando que a avaliação é uma palhaçada e não a Alexandra.

  11. Rodrigo Rosa Says:

    Muito ruim que tenha acontecido esse episódio. É claro que um evento como esse não chega a ficar desacreditado, mas ouvindo coisas assim….
    Bom, acho que o melhor é virar a página nisso, e que venham mais vinhos
    Parabéns pelo seu trabalho Alexandra
    bjos

  12. Marina Bertolucci Says:

    Isto é Brasil! Nunca vamos ter produtos de qualidade se as avaliações de tais produtos, quaisquer que sejam eles, não forem realizadas de forma séria e imparcial.
    Não é pela nacionalidade que deve ser medida a qualidade do produto!
    Estou com a Alexandra, se foi convidada para avaliar, que avalie! Se fosse só para degustar e dar seu release, que assim o fizesse…
    Mas me parece que o brasileiro não entende isso (desde baixo até o topo, no exemplo do nosso presidente, que também recusa críticas).
    E por ter sido aluna da Alexandra, sei o quanto ela admira e indica os produtos brasileiros.
    bjs

    • Lucas Says:

      Concordo com voce, se foi convidade que avalie realmente!!! Concerteza o vinho não condiz com 74 pontos dados pela Alexandra. A avaliação para o conhecimento de voces não é realizado no evento, os produtos foram pré-selecionados por 27 enólogos, os quis escolheram os vinhos representativos da safra 2010.
      Abraço

  13. maria Says:

    doença de sommelier!
    soh acham defeitos nos produtos nacionais

    • sommelierprofissional Says:

      ah, é, D. Maria? Mesmo? Então dê-se ao trabalho de conhecer o meu trabalho e de todos os sommeliers brasileiros, com destaque para a própria Ass. Bras. de sommeliers e veja se não são somos nós os responsáveis pelo grande apoio que o vinho brasileiro vem recebendo. A doença aqui é a que a sra parece estar infectada, que é a da ignorância.

  14. Bianca Says:

    A avaliação nacional de vinhos é sim um evento sério e responsável, aproveito o momento para parabenizar a entidade organizadora.
    Porém, eu estava entre os 750 degustadores, e não acredito que um vinho avaliado rigorosamente por 27 enólogos, possa receber menos de 80 ptos. Esta é nota de vinho ruim, não condizendo com os produtos apresentados no evento. Acho que houve sim equívoco na nota.
    Os vinhos não necessitam de elogios, e sim, de uma avaliação coerente com a proposta do produto.

  15. patricia valete Says:

    Todas essas pessoas que dizem que estiveram na avaliação estavam lá como gado que obedece. ninguém tem senso crítico, vcs são um bando de fracos que abaixam a cabeça e concordam com tudo oq os outros dizem e não têm senso critico. e daí q os enólogos avaliaram antes? e daí? a opiniao da alexandra é dela. aprendam a respeitar as diferenças seus chorões semi-analfabetos. bianca, maria, lucas, aproveitem a oportunidade para aprender como se forma uma personalidade forte, em vez de ficarem concordando com td oq dizem a vcs, seus chorões.

    • Lucas Says:

      Eu não sou gado q obedece, sou uma pessoa com experiencia grande em viticultura e enologia, tenho senso critico, pois estou criticando a Alexandra, se eu fosse uma pessoa fraca e semi-analfabeta não estaria aqui neste blog expresando a minha opinião, a opinião de 27 enólogos e de 750 pessoas, que sim estão ligadas a área de enologia (produtores, jornalistas, autoridades e até mesmo enófilos que tem grande experiencia). Eu tambem não fico escrevendo coisas das pessoas sem ao menos conversar pessoalmente, e creio que isto é uma falta de ética sua (falta de educação), e alias quem baixa o nivel como voce não tem argumento suficientes para conversar civilizadamente com as pessoas.

  16. Bianca Says:

    Não estou reclamando ou questionando sua competência, cada um sabe de sua capacidade. Com certeza tudo que você conquistou foi com mérito.
    Apenas reveja conceitos, talvez a sua opinião não seja a única correta.

    • sommelierprofissional Says:

      Errada ou certa – é a minha opinião. Ponto final.

      • Giovani Says:

        Olá Alexandra!!!
        Até agora estava apenas observando essa troca de argumentos, mas depois de analizar e ler varias vezes, tenho que concordar que o lucas possui argumentos mais fundamentados que os seus.
        E esse seu ultimo argumento “Errada ou certa – é a minha opinião. Ponto final” significa que vc concorda e esta aceitando que a sua opiniao possa estar errada?
        Além do mais quero muito que o lucas continue argumentando, pois ele parece entender mesmo do assunto.

      • sommelierprofissional Says:

        Giovani. as portas estão abertas para os comentários. Fiquem à vontade.

  17. Lucas Says:

    Concordo com a Bianca, não estou aqui para falar mal dos sommelier e nem da Alezandra, mas sim para dizer que o vinho não apresentava caracteristicas indesejáveis para obter uma nota abaixo de 85. Vinhos sem defeitos tem notas acima de 85 e vinhos excepcionais acima de 90 pontos.
    E alem disto, não me intereça que convidou a Alexandra, que se estive-se na oportuinidade tambem poderia escolhe-la, por seu conhecimento. Só acho que se 27 enólogos degustaram não foi a toa, e eles concerteza não apresentavam desvio padrão acima de 3 pontos, o que leva a termos degustadores super treinados. Geralmente as avaliações são realizadas com 12 a 15 degustadores, na avaliação são um total de 30, sendo somente 27 notas utilizadas para classificar o vinho.
    Não sou”gado q obedece” se fosse tal concerteza não estaria aqui defendendo um coisa que degustei tambem e não achei um vinho para tal pontuação.
    Abraço

  18. Rebeca Says:

    Boa noite!

    Cara Alexadra, concordo que a sua opinião deve ser levada em conta, nao concordo com todas as tuas colocações, mas você tem todo o direito de expressar a sua opinião. So acho que por você ser uma profissional, em algumas colocações nao agiu com profissionalismo como ao expor nomes de pessoas conhecidas no meio enologico.
    Acho também que em algumas respostas por de repente estar nervosa ou algo do tipo, se excedeu tanto você como os que estao fazendo comentários.
    Acredito que na avaliação não houveram apenas pontos ruins, eu mesma por também estar presente na avaliação, notei muitos pontos dignos de elogios como o admiravel trabalho das pessoas que serviram que foram por esponaneidade que na maioria eram alunos de enologia, sendo os futuros enologos do Brasil. Também na organização do evento que foi um dos melhores que a cada ano vem sendo aprimorado.

    Obrigada Rebeca!

  19. Luiz Says:

    Cara Alexandra
    Eu estava presente na avaliação de vinhos, e sou da mesma opinião do Sr. Lucas. Pessoalmente, dei 88 pontos, e com total imparcialidade. Como a maioria, não venho por meio desta elevar a qualidade e o terroir do Brasil, mas sim discutir diferentes opiniões e gostos de qualidade. Mas isso não vem ao caso.
    “Minha nota, apesar de baixa, reconhecia a qualidade e nitidez do vinho em nariz e boca, mas os pontos foram poucos pela falta de persistência, intensidade e acidez em boca.” Você considera então, com esse comentário, que os vinhos bases para espumantes devem ter mais acidez, persistência e intensidade? Você não acha que com a segunda fermentação, envelhecimento, amadurecimento, e uma possível liberação de manoproteínas pelas leveduras não faria com que um vinho com as qualidade que você busca dar criação à um espumante desequilibrado posteriormente?
    Aguardo uma resposta. Agradeço sua preocupação com os leitores!

    • sommelierprofissional Says:

      Muito boa sua colocação Luiz. Sobre: os espumantes terem mais acidez, persistência e intensidade: a segunda fermentação não mascara a falta de extrato da matéria prima. Além do mais, não sabemos se a segunda fermentação seria charmat ou tradicional. Se fosse charmat, provavelmente o vinho ganharia em frescor e seus aromas primários, que me pareciam bastante limpos (para uma safra com tanta água) ficariam em evidência. No entanto, se fosse passar por uma fermentação de método champenoise, dependendo da duração do contato com as leveduras, acho que ele não aguentaria. Temos que lembrar que a segunda fermentação não mascara pequenos defeitos de matéria prima. Ela aumenta estrutura, o gás dá mais frescor, mas a matéria prima está lá. E, se ela não é realmente muito bem estruturada, não vai ganhar muita coisa com este processo. Abraço

  20. Andrei Says:

    Acho que existem vários pontos a serem observados no caso.

    Primeiramente, a questão do vinho base realmente é complicadíssima de ser avaliada, mesmo por enólogos experientes. Talvez tenha sido um erro da comissão organizadora dar-lhe esse vinho para degustar. Nada contra a sua pessoa ou mesmo contra a profissional, mas provavelmente sua experiência quanto à esse tipo de vinho deva ser insuficiente. Isso com certeza colocou a nota do vinho pra baixo.
    Segundo, realmente o sr. João foi infeliz no ato, realmente perdeu a razão (em minha opinião teria razão em discutir a nota, porém o fez de maneira deseducada), porém eu entendo, afinal a nota dada foi incompatível com a qualidade real do produto.
    Terceiro, acredito sim que tu está equivocada em não rever a tua opinião sobre o vinho ou o teu conceito sobre esse tipo de produto, uma vez que a sua avaliação destoou da absurda maioria e gerou espanto em todos os presentes. Porém, o que vejo é uma arrogância de sua parte, amparada por uma opnião favorável dentre centenas desfavoráveis.

    • sommelierprofissional Says:

      SE discordar é ser arrogante, então parece que todos aqui o somos, não? Claro que não. Mina opinião se mantém. não há nenhum motivo pelo qual eu deva concordar com a maioria. Essa não é, nem nunca foi uma característica de minha personalidade. Abraço.

  21. Bianca Says:

    faço das palavras do Lucas as minhas.

  22. maria Says:

    concordo plenamente com Bianca

  23. Mauricio Says:

    Boa noite,
    Primeiramente parabenizo a todos aqui pela iniciativa de manifestar sua opinião. Porém a partir do momento que expomos nosso modo de pensar, precisamos estar cientes que muitas pessoas podem não concordar com tal e argumentarão a respeito. Esses argumentos não devem ser vistos como ofensas ou algo do gênero, mas como críticas construtivas que nos farão solidificar nosso conhecimento ou aprimorá-lo, caso necessário.
    Cara Alexandra, concordo que a opinião é sua e você tem todo o direito de manifestá-la. Isso é indiscutível. Porém em qualquer campo profissional, ou mesmo pessoal, a ética não deve faltar e, neste caso, o profissionalismo também não. A avaliação trata-se de uma vitrine do vinho nacional, onde são expostos o que há de melhor naquela safra, se começarmos a julgarmos mal essa seleção o que irão pensar os enófilos que se baseiam na referida avaliação para formar uma opinião sobre o vinho brasileiro? Além do mais creio que é desnecessário citarmos nomes de pessoas ou entidades que podem ser muito prejudicadas com quaisquer más interpretações.
    Será que não seria o caso de todos repensarmos nossa maneira de analisar um vinho que ainda tem muito o que evoluir? Não podemos julgar por definitivo um bebê que acabou de nascer não e mesmo? Além disso um conhecimento nunca está completo, por mais experiência que tenhamos sempre há muito o que aprender.
    Um abraço,
    Att.

    • sommelierprofissional Says:

      Querido Maurício. obrigada. Você tem razão. Mas eu estava analisando um vinho base para espumante e não um vinho branco. Eu considerei que ele passaria por uma segunda fermentação, é óbvio. Abraço

  24. Liandra Says:

    Boa noite!

    Cara Alexadra, concordo que a sua opinião deve ser levada em conta, nao concordo com todas as tuas colocações, mas você tem todo o direito de expressar a sua opinião. So acho que por você ser uma profissional, em algumas colocações nao agiu com profissionalismo como ao expor nomes de pessoas conhecidas no meio enologico.
    Acho também que em algumas respostas por de repente estar nervosa ou algo do tipo, se excedeu tanto você como os que estao fazendo comentários.
    Acredito que na avaliação não houveram apenas pontos ruins, eu mesma por também estar presente na avaliação, notei muitos pontos dignos de elogios como o admiravel trabalho das pessoas que serviram que foram por esponaneidade que na maioria eram alunos de enologia, sendo os futuros enologos do Brasil. Também na organização do evento que foi um dos melhores que a cada ano vem sendo aprimorado.

    Obrigada Liandra!

    • sommelierprofissional Says:

      Liandra. lindíssimo o trabalho dos jovens estudantes de enologia. Excelente ponto que esqueci de comentar, pois foquei na avaliação do vinho. Educados, gentis e prestativos. Espero que eles continuem tendo essa postura quando entrarem no marcado.

  25. Andrei Says:

    Também gostaria de deixar registrado que concordo integralmente com a opinião do Lucas. Os vinhos que estão ali já foram previamente selecionados, o que indica que possuem um bom padrão de qualidade.
    Sigo firme na opinião de que esse vinho foi avaliado por você como vinho branco pronto, e não como vinho base. Um vinho base jamais será uma maravilha sensorial, um vinho completo. Falando mais, se assim for, não será um bom espumante.

  26. Lara Says:

    Bom dia Alexandra!
    Também estive presente na avaliação e minha nota foi parecida com a sua, entretanto, conheço muito pouco sobre vinho base para espumante. Quero parabeniza-la por manter sua nota e opinião. Com certeza, o Sr. Valduga foi extremamente anti-ético e mal educado. Porém, acredito que você foi um tanto infeliz ao escrever que “uma moça pediu para aumentar a nota”. Essa sua frase coloca a integridade da Avaliação em uma situação delicada e isso não condiz com a seriedade do evento e também com a qualidade que os vinhos nacionais vêm atingindo nos últimos anos.
    Att.

  27. Gisele Says:

    Alexandra!
    Eu estava na avalicao – pela primeira vez – e dei uma nota ainda mais baixa que a tua por que achei que a base nao teria potencial para um bom espumante. Achei sem proposito e fiquei com vergonha mesmo (jah que sou gaucha) pelo que fizeram contigo – desnecessario. Sou sommeliere e juiza de qualificacao de vinhos e tambem fui “instruida” que deveria pontuar nas colunas de muito bom e otimo. Duas perguntas: 74 eh uma pontuacao que dependendo da ficha de avaliacao usada pode ser bom ou muito bom – estou certa? Por que entao tanto fuzue – a nota nao eh insuficiente eh bom. Na minha opiniao a Avaliacao perdeu a credibilidade depois desse incidente – gostaria de saber tua opiniao. Obrigada.

    • sommelierprofissional Says:

      Gisele, entendo sua posição. Conheçoo muuuuita gente que deu nota baixa, mas tem vergonha de dizer. Tem gente na mesa de jurados que deu 60!!!! Bem, a minha opinião ficou clara tanto no post quanto nas respostas aos comentários. Agradeço seu comentário. E, para sentir orgulho de ser gaúcha, não deixe de ler o belíssimo texto de Eduardo Angheben, sobre passado, presente e futuro do vinho brasileiro. Está aqui no blog, https://alexandracorvo.wordpress.com/2010/09/19/d/

  28. WineTalkGroup Says:

    Alexandra,
    ja provei alguns muitos vinho base de espumante.. sempre guiada pelo produtor.. claaaaro.. ssrrsrs ..nao eh la tarefa muito facil, mas bem prazeirosa, confesso.. srsrsrs
    pedras em outras janelas a parte, qualquer um tem o direito de concordar ou discordar das outras opnioes, nao acha..?? e assim gostar ou nao de tal vinho..??
    Mas tal pitaco nao posso dar com honestidade, e nao o farei.
    Vc falou bem sobre a liberdade.. muito bem sobre a informacao… gostei!
    As mais bem conceituadas revistas de vinhos mundo afora nao criticanBlogs e sites de amadores, muito pelo contrario!!
    Os colunistas mais conceituados tem seus Blogs, ou colaborando para sites.. Ateh o “dinossauro” da impressa do vinho, como eh chamado o Broadbant (que nasceu em 1927, literalmente ..ssrrsrs ..e eh um Master of Wine) tem afeto por suas midias on-line, com post mais atuais que muito moderninho-de-plantao..
    sim eh preciso ler.. sim eh preciso se educar (no sentido literal).. sim eh preciso ser elegante para nao virar piada em uma feira internacional (coisa constante entre os reizinhos-de-plantao)..
    Creio que o “problema” (que nao o vejo, mas alguns vêm e acham ser grande), creio, estar em ser original.. ter opniao propria… isso sim sempre foi um problema em culturas latinas em que reina que se deve dancar conforme a musica..

    • sommelierprofissional Says:

      Já li aqui, em algum comentário, o absurdo de que discordar é ruim…então dá para ter uma ideia do raciocínio de algumas pessoas, certo? Para mim, o vinho só é vinho porque é resultado da diversidade, das diferenças de climas, culturas, etc. Também, como você disse, é resultado de estudo, de atualização e não de debates vazios onde todos querem estar certos e concordantes e que a opinião do que não é seja mascarada pela massa. O problema (para os outros) é que quando somos autênticos, a falta de coragem deles fica evidente. E aí, eles se manifestam. Pergunta se algum dos gênios que vieram comentar aqui, foram comentar o maravihoso texto de Eduardo Angheben sobre o espumante brasileiro? Pergunta se algum deles veio dizer “que legal que você fala das novas regiões do Brasil” quando escrevi sobre um lindíssimo vinho do Paraná que harmonizou com feijoada? Pois, não. Mas para vir achar um ‘absurdo’ que eu penso diferente deles, eles vêm. Portanto, é mais ou menos isso que vc diz. reizinhos e palhaços que dançam conforme a música. vou lá visitar teu blog.

  29. Evelyn Says:

    Olá Alexandra;
    Sou freqüentadora assídua deste blog, porém nunca escrevi!
    Estive lendo esta grande troca de argumentos e, confesso, que algo me chamou a atenção: Reparou que todos aqueles que criticaram seu posicionamento assassinaram a nossa querida Língua Portuguesa!!! Meu Deus!! Tão sábios, tão cultos, tão entendidos de tudo e mal conseguem fazer bom uso da ortografia??? Que paradoxo, não?
    E, quanto a sua nota Alexandra, só tenho uma coisa a dizer: PARABÉNS!! Qualquer profissional, independente da área de atuação deve ser fiel aos seus preceitos, defender seus argumentos, buscar a verdade…
    Um grande abraço, e mais sucesso, SEMPRE!!!!
    Evelyn

    • sommelierprofissional Says:

      pois é. acho que até uma leitora comentou, de forma um pouco grosseira, chamando-os de “semi-analfabetos”. Evelyn, é gostoso poder ler suas palavras. Eu me considero educada e flexível, respondendo a todos os comentários. No entanto, houve abuso por parte de muitos, que usaram este espaço para tentar rebaixar meu trabalho e parecerem mais importantes. Você já ouviu falar que “os cães ladram e a caravana passa?” Devemos ser carvanas e seguir nosso caminho. Apareça e aproveite para comentar. abração.

      • Evelyn Says:

        Isso mesmo, querida! Siga em frente… Somos caravanas e seu caminho vai ser ainda mais brilhante!
        Um grande beijo
        Evelyn
        PS: Se o pessoal frequentasse o blog Bacco & Bocca enfartariam!!!

  30. Luíza Says:

    “Reparou que todos aqueles que criticaram seu posicionamento assassinaram a nossa querida Língua Portuguesa!!!”

    Muito bom seu uso do português nessa pergunta Evelyn! E ainda se refere aos outros como assassinos do português!
    Obs.: O trema (¨) não é mais utilizado na nova regra.
    hahahaha

    Desculpem, não me contive.

    Ah, e concordo plenamente com tudo o que foi dito pelo Lucas.

    • Lucas Says:

      Olá, para o seu saber, a nova regra entrará em vigor somente em 2012, portanto seu quiser escrever qualquer palavra que contenha trema estaria correto.
      E alem do mais acho que isso não tem haver com a discussão. E aliás vcs mesmo escrevem coisas erradas: “[…]este espaço onde vocês estão escrevendo, eu conquitei com muito trabalho[…]”.

      Acho que muitas pessoas escrevem coisas sem sentido, mas mantenho minha idéia desde o pricipio.

      • sommelierprofissional Says:

        lucas, reporte-se à pessoa que escreveu, tudo bem? este blog não é sobre a português, ok? não sei se você reparou, foi uma visitante que concorda com você que estava criticando outra pessoa. troquem emails, como sugere a giovanna e passem a conversar em outro espaço, ok? suas opinões já foram expostas, lidas e respondidas. abraço

  31. fernanda Says:

    clap!clap!clap!

  32. Bianca Says:

    Parabéns pelo blog DEMOCRÁTICO!!

    • sommelierprofissional Says:

      obrigada. Você teve bastante chance de se manifestar aqui. Generalizações e insultos não serão aprovados, Bianca. Sinto muito se é esse o tipo de diálogo que decidiu ter. Nunca chamei você de analfabeta ou de qualquer outra coisa. Respondi a TODOS os comentários. Agora, este espaço onde vocês estão escrevendo, eu conquistei com muito trabalho e não acho justo que comentários que desvalorizem meu trabalho sejam aprovados. Vocês estão perdendo a linha faz algum tempo. Não faz sentido que venham aqui dizendo que tenho que ser isso ou aquilo. Respeitem meu trabalho e meu espaço. Eu sou como sou, minha opinião é clara e vocês vêm aqui como anônimos, enquanto eu estou dando a cara para bater. Se tiver comentários inteligentes e pertinentes, serão bem vindos, como outros seus e de outras pessoas com as quais não concordo também foram. Tente ver um pouco pelo lado dos outros e não só do seu. Você não está sendo justa nem educada. Em nenhum momento rebaixei meus comentários. Sinto muito se leitores perderam a razão. Eu ainda estou aqui ouvindo. Mas alguns comentários estão sendo repetitivos. Traga sempre suas ideias. abraço

  33. giovanna Says:

    alexandra, você vai mesmo ficar respondendo a todas essas pessoas? porque eles não trocam emails e vão para um bar ficar todo mundo de acordo e batendo palmas uma para o outro. eu estava na avaliação, pontuei 79 para este vinho, nem sei se concordo com você ou com qualquer um destes que estão aqui, mas honestamente: a gente vem aqui para ler coisas interessantes e não essa falta do que falar generalizada.

  34. Andrei Says:

    Bom, o fato de os meus comentários serem apagados, mesmo sem qualquer tipo de ofensa, mostra que lhe faltaram argumentos.

    Realmente é triste que a formação de opinião sobre vinho no Brasil seja de nível tão baixo e despreparado.

    • sommelierprofissional Says:

      obrigada, andrei, os comentários foram mesmo apagados, mas todos eles continham coisas das quais já havíamos discutido. É uma pena que você considere meu nível baixo e despreparado. Fico feliz que, mesmo assim, você continue participando. abraço

  35. Lucas Says:

    Não mesmo, foi comentado pelo sommelierprofissional, hoje as 22:50.

    Se queiser posso repasar o e-mail que recebo a todo comentário enviado para este blog!!!!

    E por favor chamar aos outros de semi-analfabetos, é realmente falta de argumentos, pq poderiam ter respondidos as meus argumentos. Mas não, simplesmente fingiram que nada aconteceu e sairam apagando todos os comentários.
    Abraço

    • sommelierprofissional Says:

      lucas, é claro que você recebe sob o nome de ‘sommelierprofissional! pois esse é o título do blog. mas talvez você não tenha familiaridade com tecnologia. é só você olhar o nome da pessoa, ela se chama Luíza. Por favor, quem chamou vocês de semi-analfabetos, tampouco fui eu. Ou vocês aprendem a usar as ferramentas de comentários de um blog, ou vai ficar difícil. Eu apaguei, de fato, 2 comentários que me pareceram repetitivos do sr. andrei e algum outro da bianca. aqui não é um lugar para ofensas ou ironias. mais uma vez, fica a dica para aprender a usar a tecnologia, ok. TODOS os seus argumentos e colocações estão publicados. seja justo com as pessoas e não entre nessa de agressão. não vai dar certo.

  36. Lucas Says:

    Realmente peço desculpas por não ter visto… Mas ainda acho vc uma baita IGNORANTE, sem argumentos concretos acaba se rebaixando ao chamar as outras pessoas de analfabetos e que não tem familiaridade com tecnologia!!!
    Aqui está o testo onde vc mesmo erra a ligua portuguesa:
    In response to Bianca on 30 30UTC September 30UTC 2010 at 22:50:

    Parabéns pelo blog DEMOCRÁTICO!!

    obrigada. Você teve bastante chance de se manifestar aqui. Generalizações e insultos não serão aprovados, Bianca. Sinto muito se é esse o tipo de diálogo que decidiu ter. Nunca chamei você de analfabeta ou de qualquer outra coisa. Respondi a TODOS os comentários. Agora, este espaço onde vocês estão escrevendo, eu conquitei com muito trabalho e não acho justo que comentários que desvalorizem meu trabalho sejam aprovados. Vocês estão perdendo a linha faz algum tempo. Não faz sentido que venham aqui dizendo que tenho que ser isso ou aquilo. Eu sou como sou, minha opinião é clara e vocês vêm aqui como anônimos, enquanto eu estou dando a cara para bater. Se tiver comentários inteligentes e pertinentes, serão bem vindos, como outros seus e de outras pessoas com as quais não concordo também foram. Tente ver um pouco pelo lado dos outros e não só do seu. Você não está sendo justa nem educada. Em nenhum momento rebaixei meus comentários. Sinto muito se leitores perderam a razão. Eu ainda estou aqui ouvindo. Mas alguns comentários estão sendo repetitivos. Traga sempre suas ideias. abraço

    Preste atenção no que vc fala, e sou informada em questao de tecnologia… E o foco sempre indo para o espaço, responde os meus comentário anteriores!!!

  37. Mayra Says:

    Alexandra, primeiro parabéns pelo blog. Segundo eu não entendo nada de vinhos, passei a conhecer um pouco mais deste mundo interessante pelo seu programa “Sua carta de vinhos” da BandNews e resolvi ler mais aqui. Estou abismada com os posts…não posso comentar se o vinho tinha que ganhar tal ou tal nota, nem venho aqui para isso. Fiquei impressionada pois se não pode mais ter opinião diferente da maioria neste paîs, as pessoas ficam insistindo para vc reconsiderar a sua nota, pq tem que elevar os vinhos do país. Temos sim que é dar uma opinião séria, imparcial e profissional como vc fez e se isso for para fazer as pessoas pararem e reverem os vinhos base e melhorar o produto final, não é mais interessante que simplesmente ir com a maioria e deixar por isso mesmo?..como tanto vemos em outras áreas em nosso país. Estou espantada com a falta de educação postada aqui, e entendo que vc tenha a paciência. Eu teria perdido muito antes. Parabéns por abrir este canal para comentários e “colocar a sua cara para bater”. Parabéns pelo programa na radio! Fui a uma degustação recentemente (entre amigos) e não me senti tão perdida, graças a ele! Continue como vc é, precisamos de mais pessoas assim no Brasil. Me desculpe se me alonguei. Um abraço, Mayra

    • sommelierprofissional Says:

      oi. gentileza da sua parte mayra. parece que a agressividade diante da diferença é muito forte. uma pena, realmente. agradeço, do fundo do coração, palavras doces como as suas, depois de tanta agressividade. obrigada por ter se alongado na sua gentileza. apareça. um abração.

  38. Adri Says:

    Só uma pergunta, simples.
    Qual é sua experienciaem degustão de base de espumante?

    • sommelierprofissional Says:

      Olá, bom dia, com vai, tudo bem? Eu estudei viticultura e enologia no centro federal de pesquisas enólogicas de Changins. Lá degustávamos este tipo de vinho, entre outros. obrigada e um abraço.

  39. Adri Says:

    obrigada pela informação!

  40. Otavio Says:

    Parabéns pela postura! Isso demonstra compromisso não apenas com a sua própria bagagem, mas também com o consumidor. Como julgar um sommelier que, ao provar um produto, já está comprometido com os resultados? As pessoas, com esse discurso de “apoio ao vinho nacional”, simplesmente parecem ter perdido qualquer referência. O vinho nacional não pode se apoiar num marketing barato e comprado, mas sim em ganhos verdadeiros. E esses ganhos já são claros em muitos produtos.

    Fiquei chocado com algumas posturas de gente que, por aqui, esperavam compromisso ou queriam marretar a todo custo a tua opinião. Depois, no espírito dos embates de internet, simplesmente migravam pra criticar firulas gramaticais e ter chiliques. Isso é uma vergonha, simplesmente. Compreendo o respeito dos produtores pelo seu trabalho, compreendo até um pouco de ufanismo tosco, mas não compreendo essa instrumentalização da crítica. De novo, parabéns.

  41. Ruy Says:

    Revolta contra a Corja do Setor VitiVinícola
    Aos homens e mulheres de bem.

    Prezados Senhores,

    Pensem MILHARES de vezes antes de comprar um vinho brasileiro.
    A maioria da riqueza NO SETOR VINÍCOLA na serra é fruto de muito trabalho sim, mas também de muita corrupção. Essa podridão começa pelo setor primário, onde os viticultores confiam no homem que preside o sindicato, pensando que é um defensor, porém é um aproveitador, o importante é o contra cheque no final do mês. O cara fala, fala, fala parece cruzamento de cigano com papagaio, vê-se constrói uma vinícola e compra uva Isabel a R$ 1,00 ao Kg.
    Os viticultores querem colher 40.000 mil kg por ha para compensar as despesas e a mão-de-obra, a qualidade da uva pertence a quem??????????? Do vinho é que não parece ser.
    Sem falar na quantidade de entidades (sanguessugas que não fazem nada) IBRAVIN, AGAVI, UVIBRA, ABE, FECOVINHO, EMBRAPA UVA E VINHO, E MAIS UMA DEZENAS DE ASSOCIAÇÕES DISSO E DAQUILO.
    Na indústria vinícola a maioria desses “empresários” são arrogantes, ignorantes porque se consideram “ricos” pensam que são donos da razão. Essa riqueza foi construída fabricando “vinhos” a base de água e muito pouca uva ou quase nada, glicerina, álcool, natamicina, glicose, corantes, aromatizantes, ácidos, etc, etc, todas essas substâncias nocivas à saúde. E INFELIZMENTE, AINDA CONTINUA. Antigamente diziam que só uma vinícola do vale dos vinhedos utilizava glicerina e levou a fama, porém quase todas usam, é só analisar os vinhos. Há e se houver um laboratório que analise, porque os que são do Estado e dos órgãos ligados ao setor estão sucateados. Talvez são subornados para não fiscalizarem.
    Depois recebem turistas (verdadeiros babacas) e inventam 1001 estorietas.
    Hoje reclamam à alta carga tributária e a fiscalização. Mas é pouco ainda, uma grande parte do vinho comercializado é vendido sem nota fiscal.
    Uma grande parte dessas empresas é familiar e, portanto, não agem com profissionalismo, são amadores, na base do grito. Muitas pessoas que trabalham no setor não têm qualificação específica.
    Os enólogos são pouco reconhecidos e as vinícolas e empresas fornecedoras de produtos químicos preferem contratar ou manter os sanguessugas da família ou os amigos em vez de contratar e valorizar um profissional sério que estuda e busca o conhecimento e tecnologia, em troca contratam pessoas mesquinhas e com profissões muito a quem de um profissional de enologia. Diga não a essas empresas não comprando seus produtos, boicote.
    Obs: muitos dos enólogos (homens) são arrogantes, se acham o gás da coca, mas se tu virar de cabeça pra baixo não cai uma moeda. Nada contra as enólogas que são todas inteligentes, belas e charmosas e deixam o processo de elaboração do vinho mais encantador.
    Essa ABE começando pelo presidente que é mandado pela mulher, em vez de lutar pela profissão, tem até engenheiros agrônomos associados.
    E ainda falam em se abrir ou valorizar o vinho brasileiro, o quê?????? tomar porcaria, depois querem nota alta.

    Por favor repassem aos quatro cantos desse país.

    • sommelierprofissional Says:

      Ruy, seria o caso, talvez, diante de acusações tão fortes, que você se identificasse para abrir uma discussão, não? O espaço aqui está aberto, mas há acusações graves. Eu conheço pouco a maioria das associações que você cita, mas, apesar do incidente no evento da ABE, considero a associação importante na divulgação de informação sobre viticultura do Brasil. Tenho visto o IBRAVIN tentar fazer um trabalho também importante de divulgação. Sim, concordo com você que alguns empresários brasileiros do vinho têm muito a aprender, principalmente sobre humildade e aceitação de críticas. Muito mesmo. Obrigada por escrever.

    • Luiz Says:

      Nunca ouvi tamanha bobagem. Condenar 1000 por causa de 1. Como se esse “um” existisse somente no Brasil… e os grandes vinhos do exterior são dignos e sem produtos ilícitos. Existem falcatruas…. mas se elas existem, posso GARANTIR q são bem menos comuns em nosso país do que em qualquer outro. Sinceramente, Ruy, se eu podesse, te cortaria em pedacinhos e te dissolveria em ácido, só pra deixar de ser tão retardado.
      Desculpem qualquer coisa, mas nesse comentário realmente me indignei. “Abra sua cabeça, abra um vinho brasileiro!” Mas abram ele pela qualidade que ele tem, SIM! E pela SAÚDE!

  42. Paulo Sampaio Says:

    Degustar e avaliar vinho base é algo que, na minha opinião, um sommelier não faz com tanta facilidade, já que, no dia a dia, ele acaba provando vinhos prontos. O que não significa que o sommelier não possa fazer essa experiência com frequência e passar a entender o vinho base e suas qualidade. Imagino que este seja o caso da Alexandra.

    Sobre a reação raivosa dos eno-patriotas, me desculpem, mas é esse tipo de comportamento que desacelera a evolução da qualidade dos nossos vinhos. Precisamos de enólogos, sommeliers e produtores críticos e exigentes, e não baba-ovo de empresários.

    Me decepciona absurdamente saber de toda essa história, independentemente de a Alexandra estar ou não com a razão. A opinião dela foi pedida e ela deu. Não concordar faz parte, mas exigir que ela se retrate é simplesmente ridículo e degrada ainda mais a já arranhada reputação dos nossos vinhos.

    Uma pena.

    A propósito, essa história veio a calhar. Publiquei algo sobre a crítica de vinhos no Brasil no meu blog que tem muito a ver com isso tudo: http://clubedaenogastronomia.blogspot.com/2010/09/mais-do-mesmo-e-credibilidade-da.html

    • sommelierprofissional Says:

      Oi Paulo. Li seu texto. É por aí. Eu só estou tentando manter minha opinião livre. Mas é difícil. Ouvi por aí que um dos comentaristas revoltados trabalha na Valduga. Mas, como não gosto de fofoca, preferi acreditar que é um “eno-patriota”, como você diz, indignado. Abração

  43. Tiago Ribeiro Says:

    Oi, Ale, tudo bem? Caramba, fiquei impressionado com a fúria de alguns em relação a você, sua nota e suas opiniões! Que coisa mais xiita, heim? É o que de existe de pior na política querendo contaminar o mundo do vinho, onde existe de tudo, exceto certezas, conceitos absolutos. E isso é exatamente o que nos encanta tanto nesse mundo: tantos e diferentes vinhos, tantas e diferentes opiniões! Acho que os vitivinicultores brasileiros, que estão sim trabalhando para melhorar a qualidade de nossos vinhos, deveriam gastar mais energia exigindo, pressionando, de verdade, o governo para que baixe os impostos e torne o vinho brasileiro verdadeiramente mais competitivo com os produtos dos hermanos, que chegam aqui subsidiados e afastam cada vez mais o consumidor de experimentar um vinho brasileiro. Isso sim é brigar pelo vinho brasileiro. Não ficar aqui aporrinhando a Alexandra por conta de uma nota que ela deu. É a opinião dela. seu direito absoluto. Tenham respeito. E vamos pará o próximo assunto, por favor… Bjo, Alê!

    • sommelierprofissional Says:

      Oi Ti, querido, queridíssimo. Outro dia veio alguém aqui que te conhece, mas agora não estou lembrando quem é! Que saudades. Sobre os comentaristas, no comments. Xiita é pouco. Depois te “cuento”. Quando você vem a SP? A escola está bombando, vem me visitar. Mil beijos

  44. Rômulo Says:

    Olá, Alexandra desculpe minha indelicadeza e ignorância, mas qual competência você possui para Avaliar Base de Espumante; Você como formadora de Opinião teve uma postura muito Desequilibrada mostrando-se um ser superior o qual era o centro das Atenções. Eu estava presente na Avaliação e todos os Avaliadores Internacionais e Nacionais se expressaram melhor que você. Sei que temos vinhos que necessitam de evolução, mais expressão e trabalho, assim como você.
    Se você prega seriedade e transparência quero ver Esse comentário em seu Roll.
    Att;
    Rômulo /SENAC – SP

Os comentários estão desativados.


%d blogueiros gostam disto: